O mercado da atenção

Há uma operação de enfeitiçamento em curso,  diz sociólogo Laymert Garcia dos Santos, em entrevista publicada na Carta Maior. Li ligeiramente, mas gostei mesmo foi da fala do Mario Morato Ribeiro sobre o mercado de atenção.

atencao

O mercado da atenção

Professor de Sistemas de Informação da USP, Mário Moreto Ribeiro, fez uma comparação entre o ambiente do mundo do trabalho e o das redes sociais, que hoje exigem a atenção total do trabalhador/internauta, em uma desgastante briga por sua atenção. “Na internet hoje, o que está em disputa é essa atenção total. Não só o tempo [do internauta], mas a atenção”, afirmou.

Segundo ele, o capital se apropriou do que deveria ser espaço de interação e lazer para os trabalhadores e o transformou em mais uma mercadoria. É por isso que ele classifica o esforço exercido por milhares de usuários das redes sociais para formularem comentários e disputar a atenção de seus seguidores, gratuitamente, é um tipo de trabalho voluntário que contribui para valorizar a marca da empresa, e gerar lucro para o capital.

“Escrever no facebook também é um trabalho. Você gasta tempo, valoriza a empresa. E disputa a atenção dos colegas. Existe um mercado da atenção nas redes sociais. E a gente está disputando esse mercado quando escreve no Facebook. Mas não é um mercado aberto. Ele é controlado por uma empresa”, alertou.

 

Anúncios

o que é disrupção?

Disrupção é um dos termos mais usados no dialeto da inovação e do empreendedorismo e muitas vezes com o significado errado: inovador, moderno, radical. O projeto Draft tem em seu site um canal chamado Verbete Draft  que explica estes termos  que são usados de forma tão aleatória e superficial que confundem a gente.  ( viva! 😉  ) Colei de lá o texto abaixo.

76411.117838-inovacao

Disrupção:

O que realmente é: Produto ou serviço que cria um novo mercado e desestabiliza os concorrentes que antes o dominavam. É geralmente algo mais simples, mais barato do que o que já existe, ou algo capaz de atender um público que antes não tinha acesso ao mercado. Em geral começa servindo um público modesto, até que abocanha todo o segmento.

Quem inventou o termo: Clayton Christensen, professor de Harvard. Ele se inspirou no conceito de “destruição criativa” cunhado pelo economista austríaco Joseph Schumpeter em 1939 para explicar os ciclos de negócios. Segundo ele, o capitalismo funciona em ciclos, e cada nova revolução (industrial ou tecnológica) destrói a anterior e toma seu mercado.

Para que serve: Para explicar a seguinte teoria: quando uma empresa lança uma tecnologia mais barata, acessível e eficiente, mirando margens de lucros menores, cria uma revolução. Deixa obsoleto quem antes era líder de mercado. É o oposto do que Christensen chama de “Inovações sustentáveis” — as que não chegam a criar um novo mercado e concorrem com outras empresas de forma mais tradicional. Para que os pioneiros não fiquem vulneráveis, a única saída seria fazer auto-disrupção. Um exemplo: a própria HP investindo em linhas de PCs populares antes que a Lenovo o faça. Segundo Christensen, algumas das características das inovações disruptivas são: margens de lucro menores, mercados-alvo menores e produtos e serviços mais simples, que não parecem tão atrativos quanto as soluções existentes quando comparados com métricas de perfomance tradicionais. –

Lá tem mais sobre disrupção: http://projetodraft.com/verbete-draft-o-que-e-disrupcao/#sthash.cqvMvxpC.dpuf

 

o mundo é feito de histórias

É tempo de viver sem medo.
As crianças são todas pagãs.
Eu saí a caminhar pelo bairro e encontrei uma menina que não devia ter mais que 2 anos, vinha brincando na direção oposta, e ela cumprimentava a grama, as plantinhas: “Bom dia, graminha!”
Nessa idade somos todos pagãos, somos todos poetas mas depois o mundo se ocupa de apequenar nossas almas. O mundo não é feito de átomos; o mundo é feito de histórias. As histórias permitem transformar o distante em próximo, possível e visível.

Eduardo Galeano

comunicação nos estudos culturais

comunicac3a7c3a3o-social

Então, a noção de comunicação sai do paradigma da engenharia e se liga com as «interfaces», com os «nós» das interações, com a comunicação-interação, com a comunicação intermediada. A linguagem é cada vez mais intermedial e, por isso, o estudo tem que ser claramente interdisciplinar. Ou seja, estamos diante de uma epistemologia que coloca em crise o próprio objeto de estudo. Porque acreditávamos que existia uma identidade da comunicação, que se dava nos meios e, hoje, não se dá nos meios. Então, onde ocorre? Na interação que possibilita a interface de todos os sentidos, portanto, é uma “intermedialidade”, um conceito para pensar a hibridação das linguagens e dos meios (MARTÍN-BARBERO, 2009, p. 153).

citado por Evaldo Pereira em The Game of Life: reflexões sobre um jogo da vida a partir da perspectiva comunicacional dos Estudos Culturais

produção biopolítica: 

Todo aquele que trabalha com a informação ou o conhecimento, dos agricultores que desenvolvem determinadas sementes aos criadores de softwares, dependem do conhecimento comum recebido de outros e por sua vez criam novos conhecimentos comuns. Isto se aplica particularmente a todas as formas de trabalho que criam projetos imateriais, como idéias, imagens, afetos e relações. Daremos a este novo modelo dominante o nome de produção biopolítica, para enfatizar que não só envolve a produção de bens materiais em sentido estritamente econômico como também afeta e produzem todas as facetas da vida social, sejam econômicas, culturais ou política.
Negri e Hardt (2005, p. 1)

capitalismo cognitivo

Com o conceito de capitalismo cognitivo, designamos então um sistema de acumulação no qual o valor produtivo do trabalho intelectual e imaterial se torna dominante e onde o eixo central da valorização do capital porta diretamente sua expropriação “através da renda” do comum e a transformação do conhecimento em mercadoria.
Carlo Vercellone e Antônio Negri

A passagem do fordismo ao pós-fordismo pode ser lida como a passagem de uma lógica da reprodução a uma lógica da inovação, de um regime de repetição a um regime da invenção. (CORSANI, 2003, p.15)

Conforme a autora (Antonella Corsani, o conjunto dessas condições é que evidencia aquilo que chamamos de capitalismo cognitivo. Aceitando a hipótese de que o capitalismo cognitivo opera sob o duplo eixo da inovação e da invenção, é importante evidenciar que o capitalismo industrial também mobilizava esses valores; entretanto, eles apareciam como exceção. No fordismo,

[…] a valorização repousava essencialmente sobre o domínio do tempo de reprodução de mercadorias padronizadas, produzidas com tecnologias mecânicas. (CORSANI, 2003, p. 17)

Roberto Rafael Dias da Silva em Políticas de escolarização e governamentalidade nas tramas do capitalismo cognitivo: um diagnóstico preliminar

os modelos de negócios sociais

Você não pode planejar redes ou forçar encaixá-las em qualquer padrão. Se você deseja obter qualquer valor a partir de uma rede, você não pode restringi-lá para ser uma rede estritamente de sua organização. Redes devem envolver os clientes/cidadãos e parceiros. Na verdade, cada participante de uma rede é um parceiro – não em algum sentido de marketing piegas, mas na realidade das trocas na rede. Redes apoiam a comunicação através de canais que você não previu com antecedência. Eles atravessam qualquer unidade organizacional que você possa ter definido – mesmo após a VSM [Viável Sistemas Modelo]. Por todas estas razões redes são grandes fontes de inovação – e a inovação é emergente.

via @ VernaAllee  (2012)